Notícias


CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA CEMIG D Nº 001/2020

Por Adalberto / Data: 10/12/2021

Na última quarta-feira, 01/12/2021, tivemos o prazer de participar da Solenidade de Abertura dos Projetos aprovados na CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA CEMIG D Nº 001/2020 da CEMIG DISTRIBUIÇÃO S/A. Após todas as fases, previstas no edital, podemos comemorar o grande resultado de que o SAAE de Lambari/MG teve seu projeto selecionado. Com isso, receberemos um investimento R$ 383.094,19 (trezentos e oitenta e três mil e noventa e quatro reais e dezenove centavos), sendo R$ 378.094,19 (trezentos e setenta e oito mil e noventa e quatro reais e dezenove centavos) o valor oriundo do Programa de Eficiência Energética – PEE, que é uma iniciativa da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), e R$ 5.000,00 (cinco mil reais) o valor da contrapartida do SAAE. 


Estes recursos contribuirão para modernização de um de nossos motores e seu respectivo painel com sistema com inversor de frequência, na Captação de Água Bruta do Ribeirão Mumbuca, bem como proporcionará redução de aproximadamente 201,16 MWh/ano e 28,25 kW de redução de demanda na ponta, contribuindo para a redução dos nossos custos com energia elétrica. Esse projeto possuí uma relação custo benefício de 0,65.


Este importante resultado, teve a colaboração da empresa desenvolvedora do projeto, DEODE INOVAÇÃO E EFICIÊNCIA EM ENERGIA LTDA., contratada através do Chamamento Público nº 001/2020 do SAAE.


Nossos agradecimentos ao servidor Adalberto Luiz da Silva, que conduziu todos os trâmites legais da contratação e que, hoje, é o Coordenador do Projeto, que está em fase de execução.


Na cerimônia, conduzida pelo Diretor da CEMIG D, Sr. Marney Tadeu Antunes, estavam presentes os representantes do 08 (oito) projetos selecionados:


COPASA - Ricardo Augusto Simões Campos - Diretor de Desenvolvimento Tecnológico, Meio Ambiente e Empreendimentos

Prefeitura Municipal de Pará de Minas - Elias Diniz - Prefeito

SAAE LAMBARI - Pablo Luiz Lopes - Diretor

Santa Casa de Campo Belo - José Geraldo Fernandes - Provedor

Santa Casa de São Sebastião Do Paraíso - Fernando Montans Alvarenga - Provedor

Santa Casa de Patrocínio - José Carlos Dias - Provedor

UFMG - Veterinária - Rui Rothe-Neves - Chefe de Gabinete

SAAE de Lambari/MG implanta e regulamenta a Tarifa Residencial Social

Por Pablo / Data: 15/09/2021

O SAAE de Lambari/MG comunica à todos os interessados e usuários que, mediante estudo técnico apoiado fortemente pelo Consórcio dos Serviços Municipais de Saneamento do Sul de Minas, CISAB SUL, culminando na publicação da Resolução da Agência Reguladora (ARISSMIG) nº 032 de 23 de agosto de 2021, fica instituída e regulamentada a Tarifa Residencial Social, que tem por finalidade proporcionar o fornecimento dos serviços de água e esgoto às famílias de baixa renda, risco e vulnerabilidade social, através de uma tarifa diferenciada, com descontos de 20 a 40% na tarifa residencial padrão.


Critério mínimos para o enquadramento:

I - A Unidade Usuária deve compor a Categoria Residencial;

II - A família domiciliada na Unidade Usuária deve estar inscrita no Cadastro Único para Programas Sociais – CADÚnico;

III – A Unidade Usuária deve ter algum beneficiário de programa de transferência de renda do governo federal, sendo o Bolsa Família ou Benefício de Prestação Continuada (BPC), mediante comprovação;

IV – Consumo médio de energia elétrica da Unidade Usuária – últimos 06 (seis) meses –  não superior a 100 Kwh/mês, mediante comprovação.


Como requerer?

I - Requerimento do usuário emitido pelo setor comercial de cadastramento na categoria residencial social;

II - Cópia de documento de identidade e CPF;

III - Comprovação de um dos membros da Unidade Usuária estar inscrito no CADÚnico do Governo Federal, através da Secretaria de Assistência Social do Município de Lambari, devendo apresentar a Folha Resumo do Cadastro Único atualizada, cuja data de emissão tenha sido realizada em até 03 (três) meses da data da solicitação;

IV – Comprovante atualizado de que é beneficiário de algum dos programas citados no Inciso III do artigo anterior;

V – Fatura atual de energia elétrica da Unidade Usuária, onde conste a média de consumo dos últimos 06 (seis) meses;

VI - Documento hábil que comprove a titularidade do imóvel ou de seu cônjuge; (escritura de compra e venda com registro);

VII - Documento hábil que comprove a posse ou detenção do imóvel ou de seu cônjuge (contrato particular de compra e venda com firma reconhecida em cartório);

VIII - Documento hábil que comprove a posse direta sobre o imóvel ou de seu cônjuge, cedida pelo proprietário (contrato de locação, com firma reconhecida);


Observação: caso o(a) beneficiário(a) do Bolsa Família ou Benefício de Prestação Continuada (BPC), seja o titular da conta de água, conforme consulta no cadastro do SAAE, fica dispensado a apresentação dos itens VI ao VIII.


Prazo de análise e efetivação do cadastro: 30 dias após solicitação.


Exigência: não pode constar débito do imóvel.


Mais informações nos canais de atendimento do SAAE.

Consulta da Resolução Completa (Res. ARISSMIG nº 032 de 23/08/21), no menu Legislação na página inicial.

Melhor Economizar

Por Adalberto / Data: 24/08/2021

O desperdício de água é uma das principais causas da falta de água em várias localidades. Combater esse problema é dever do cidadão, dos empresários e do Estado.



O desperdício de água é um dos principais problemas relacionados com a disponibilidade e utilização dos recursos hídricos na atualidade. Nesse sentido, é importante compreender o problema analisando a totalidade da questão, ou seja, a quantidade de água desperdiçada não somente pelo mau uso residencial, mas também pelos equipamentos públicos e práticas econômicas em geral.


As formas mais comuns e citadas de desperdício de água são conhecidas por todos: a torneira mal fechada, o banho demasiadamente demorado, a mangueira ligada sem uso, a lavagem de calçadas, os excessos na limpeza dos carros, entre outras práticas. Mas essa não é a única causa para o problema em questão.


Uma considerável parte do desperdício acontece no transporte da água até o consumidor, o que é resultado de tubulações públicas velhas ou danificadas, obras mal realizadas, além dos famosos “gatos” ou redirecionamentos de água clandestinos. Isso acontece em todos os países, que sempre apresentam certa taxa de desperdício de água: o Japão, por exemplo, desperdiça 10% de sua água; a Alemanha perde 9%, seguindo a média dos países europeus. O Brasil, no entanto, chega a desperdiçar 37%, conforme dados da Agência Nacional de Águas (ANA) e, se considerarmos apenas a água tratada, esse número salta para 41%.


Uma questão curiosa acontece no estado de São Paulo, que, desde 2014, vive o alarde da crise da água: segundo uma reportagem da Folha de São Paulo, a capital Paulista e sua região metropolitana desperdiçam o equivalente a quatro vezes o volume hídrico poupado. Portanto, além de investir em novas formas de captação água, é necessário diminuir esse grande fluxo perdido de água, principalmente com a renovação dos dutos de transporte.


Vale lembrar, no entanto, que a atividade que mais desperdiça água é a agricultura. Nas áreas irrigadas, por exemplo, o desperdício chega a 50% da água utilizada, tanto por vazamentos quanto pelo emprego de técnicas que utilizam mais recursos hídricos do que o necessário, bem como as perdas por evaporação. A mudança nas práticas agrícolas e a adequação nos métodos de irrigação podem ser fatores para diminuir o consumo de água sem afetar a produção de alimentos e produtos primários em geral.


Outra atividade da economia que apresenta um elevado desperdício de água é a indústria, embora existam muitas fábricas que adotam o consumo consciente e que apostam em ideias de reutilização da água e outros. É necessário, portanto, desenvolver estratégias de uso sustentável da água, o que significa desperdiçar e consumir menos sem necessariamente comprometer a produção e a economia.


Os impactos do desperdício da água são graves e traduzem-se na redução do abastecimento de água para a população, na menor disponibilidade de água nas reservas hídricas e na ocorrência de verdadeiras crises hídricas em tempos de seca. Por causa disso, é importante que todos façam a sua parte, desde o cidadão em sua casa, passando pelo Estado, até as diferentes práticas da economia.




Extraído de:  https://www.preparaenem.com/geografia/desperdicio-agua.htm

Texto: Por: Rodolfo F. Alves Pena

Não Pague suas Contas de Água Através de PIX

Por Adalberto / Data: 14/05/2021

Informamos aos nossos usuários que os pagamentos das faturas de água e esgoto, bem como outras faturas emitidas por esta Autarquia devem ter o pagamento realizado através da rede de Agências Bancárias credenciadas junto a este Órgão.


A realização de PIX para as contas desta Autarquia não geram arquivo retorno dos pagamentos, não sendo possível vincular os mesmos às respectivas contas.




Reajuste Tarifário - julho/2021

Por Adalberto / Data: 03/05/2021

INFORMATIVO SAAE LAMBARI/MG

 REAJUSTE DAS TARIFAS


Após a devida realização de Audiência Pública no dia 09/03/2021, a AGÊNCIA REGULADORA INTERMUNICIPAL DE SANEAMENTO DO SUL DE MINAS GERAIS – ARISSMIG cumprindo o que determina a Lei Federal 11.445/07, através da RESOLUÇÃO Nº 006 de 10 de março de 2021, CONCEDEU ao SAAE de Lambari-MG, o reajuste das tarifas dos serviços de saneamento e demais preços públicos no percentual de 25,71%, que corresponde ao índice inflacionário – IGPM – acumulado dos últimos 12 meses (fevereiro/20 a janeiro/21).

Portanto, tal reajuste incidiria no ciclo de leitura/faturamento de maio/2021, contudo, diante do cenário de pandemia e Resoluções impostas pela própria Agência Reguladora, no período de Onda Roxa que o Estado de Minas Gerais presenciou, o SAAE decidiu, levando em consideração o cenário econômico atual, por prorrogar tal reajuste para o ciclo de leitura de julho/2021, cujo vencimento da conta reajustada será para agosto/21.

É importante destacar, conforme discutido na audiência pública, que o SAAE NÃO procedeu nenhum reajuste das tarifas e demais preços públicos nos ÚLTIMOS 04 (quatro) anos. Se levarmos em conta apenas a inflação da data do último reajuste (janeiro/2017) até o mês de fevereiro/2021, constatamos um índice inflacionário ACUMULADO de 42,58%.

Além disso, se levarmos em consideração alguns custos fixos e diretos para manutenção dos sistemas de água e esgoto, temos um DESEQUILÍBRIO ainda maior, devido ao aumento generalizado de materiais e serviços.

Esta iniciativa de recorrer à AGÊNCIA REGULADORA foi tomada com responsabilidade, para evitar que tenhamos, em pouco tempo, a diminuição, ainda mais, da qualidade dos serviços prestados ou um colapso dos sistemas de abastecimento de água e esgotamento sanitário.

A equipe administrativa, técnica e operacional do SAAE está se esforçando ao máximo para que o SAAE volte a ter sustentabilidade econômica e financeira para executar todos os investimentos em saneamento que o município tanto necessita.

Quaisquer maiores informações, podem contatar os canais de atendimento do SAAE ou na própria OUVIDORIA da Agência Reguladora, através do link disponível em nosso site http://www.saaelambari.mg.gov.br.

WhatsApp do SAAE

Por Adalberto / Data: 10/03/2021

Já está disponível o número de WhatsApp do SAAE para que os cidadãos possam informar à autarquia a respeito de falta d’água, vazamentos de água e esgoto, qualidade da água efazer pedidos de religação de água.

As mensagens recebidas serão encaminhadas aos setores competentes a fim de que sejam adotadas as medidas necessárias.

APRESENTAÇÃO DO PROJETO SANBAS

Por Adalberto / Data: 19/02/2021

O Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB) é um instrumento de planejamento estratégico da política municipal que contribui para prevenção de doenças, proteção e promoção da saúde da população, bem como a preservação do meio ambiente e o desenvolvimento social. O PMSB, conforme definido pela Lei Federal nº 11.445/2007, que estabelece a política federal e as diretrizes nacionais do saneamento básico no Brasil (BRASIL, 2007), deve abarcar os quatro componentes do saneamento básico: 1) abastecimento de água; 2) esgotamento sanitário; 3) limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos; e 4) drenagem urbana e manejo das águas pluviais, tendo como princípio o envolvimento e participação da população em todas as etapas de sua elaboração.

Além dos quatro componentes, o PMSB deve abranger toda a extensão territorial do município, ou seja, áreas urbanas e rurais. Desta forma, permite-se a contemplação das populações do campo, floresta e das águas, de áreas indígenas, de comunidades quilombolas e tradicionais, além das áreas onde residem populações específicas (favelas, ocupações irregulares, assentamentos precários, entre outras denominações). O horizonte temporal do Plano é de 20 anos, sendo revisado em periodicidade máxima de quatro anos, em conformidade com o Plano Plurianual (FUNASA, 2018).

Buscando promover e executar ações e serviços de saúde pública, a Fundação Nacional de Saúde - Funasa tem atuado na capacitação e apoio à elaboração de Planos Municipais de Saneamento Básico (PMSBs). Nesse contexto, a Funasa firmou o Termo de Execução Descentralizada (TED nº 02/2016) com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), para desenvolvimento do estudo denominado “Capacitação e elaboração de Planos Municipais de Saneamento Básico em municípios com população de até 50.000 habitantes do estado de Minas Gerais: uma pesquisa-ação no campo tecnológico, do controle social, da comunicação e do empoderamento nas políticas públicas de saneamento básico”, doravante denominado Projeto SanBas.

O município de Lambari foi selecionado pelo projeto e conta hoje com este estudo em elaboração. Todas as reuniões do Comitê Executivo serão transmitidas pelo canal do Youtube, através do Link https://www.youtube.com/channel/UCFjS3tmy-Sz40G6zorAijsg/playlists, na Playlist “PMSB Lambari”.

Aos usuários interessados, a primeira reunião com a equipe de coordenação da UFMG e os membros do Comitê Executivo, já se encontra publicada.

Para mais informações, acessem o site oficial do Projeto SanBas: https://sanbas.eng.ufmg.br/lambari-mg/

O CISAB SUL QUER OUVIR VOCÊ!

Por Adalberto / Data: 04/02/2021

Atualmente o consórcio CISAB SUL regula e fiscaliza onze municípios, sendo eles:


Boa Esperança, Campo Belo, Carmo de Minas, Coqueiral, Córrego do Fundo, Guapé, Lambari, Nepomuceno, São João Batista do Glória, São Lourenço e Três Pontas.


Se você reside em umas dessas cidades e já entrou em contato com o prestador de serviço de água e esgoto da sua cidade, mas não teve a manifestação atendida, não foi atendido de maneira satisfatória ou se não teve uma resposta conclusiva, entre em contato com a Ouvidoria do CISAB SUL.


A ouvidoria do CISAB tem a responsabilidade de receber as reclamações, sugestões, denúncias e elogios de seus usuários.


𝐀𝐜𝐞𝐬𝐬𝐞: 𝐜𝐢𝐬𝐚𝐛.𝐞𝐨𝐮𝐯𝐞.𝐜𝐨𝐦.𝐛𝐫 𝐨𝐮 𝐛𝐚𝐢𝐱𝐞 𝐨 𝐚𝐩𝐩.


Furto de Água É Crime!

Por Adalberto / Data: 04/02/2021

O furto de água é uma prática criminosa passível de penalidade. Infelizmente, muitas pessoas ignoram a lei e cometem irregularidades no consumo, chegando, inclusive, a danificar as tubulações para se abastecer de forma fraudulenta.


A água é considerada um patrimônio público e eventual artifício usado para alterar o consumo nos hidrômetros poderá ser considerado furto qualificado pelo emprego de fraude (art. 155, § 4º, II, do Código Penal).


A infração é passível multa bem como da interrupção do fornecimento de água, de acordo com a gravidade do caso, de acordo com o art. 87 do Decreto 1022 de 27 de dezembro de 2000. Além de determinar a aplicação de multa, gera também o registro em boletim de ocorrência policial (B.O) e a abertura de processo crime por furto de água.


Denuncie ligações e clandestinas e violações ao hidrômetro.





Desperdicio de Água

Por Adalberto / Data: 25/01/2021

O desperdício de água é uma das principais causas da falta de água em várias localidades. Combater esse problema é dever do cidadão, dos empresários e do Estado.



O desperdício de água é um dos principais problemas relacionados com a disponibilidade e utilização dos recursos hídricos na atualidade. Nesse sentido, é importante compreender o problema analisando a totalidade da questão, ou seja, a quantidade de água desperdiçada não somente pelo mau uso residencial, mas também pelos equipamentos públicos e práticas econômicas em geral.


As formas mais comuns e citadas de desperdício de água são conhecidas por todos: a torneira mal fechada, o banho demasiadamente demorado, a mangueira ligada sem uso, a lavagem de calçadas, os excessos na limpeza dos carros, entre outras práticas. Mas essa não é a única causa para o problema em questão.


Uma considerável parte do desperdício acontece no transporte da água até o consumidor, o que é resultado de tubulações públicas velhas ou danificadas, obras mal realizadas, além dos famosos “gatos” ou redirecionamentos de água clandestinos. Isso acontece em todos os países, que sempre apresentam certa taxa de desperdício de água: o Japão, por exemplo, desperdiça 10% de sua água; a Alemanha perde 9%, seguindo a média dos países europeus. O Brasil, no entanto, chega a desperdiçar 37%, conforme dados da Agência Nacional de Águas (ANA) e, se considerarmos apenas a água tratada, esse número salta para 41%.


Uma questão curiosa acontece no estado de São Paulo, que, desde 2014, vive o alarde da crise da água: segundo uma reportagem da Folha de São Paulo, a capital Paulista e sua região metropolitana desperdiçam o equivalente a quatro vezes o volume hídrico poupado. Portanto, além de investir em novas formas de captação água, é necessário diminuir esse grande fluxo perdido de água, principalmente com a renovação dos dutos de transporte.


Vale lembrar, no entanto, que a atividade que mais desperdiça água é a agricultura. Nas áreas irrigadas, por exemplo, o desperdício chega a 50% da água utilizada, tanto por vazamentos quanto pelo emprego de técnicas que utilizam mais recursos hídricos do que o necessário, bem como as perdas por evaporação. A mudança nas práticas agrícolas e a adequação nos métodos de irrigação podem ser fatores para diminuir o consumo de água sem afetar a produção de alimentos e produtos primários em geral.


Outra atividade da economia que apresenta um elevado desperdício de água é a indústria, embora existam muitas fábricas que adotam o consumo consciente e que apostam em ideias de reutilização da água e outros. É necessário, portanto, desenvolver estratégias de uso sustentável da água, o que significa desperdiçar e consumir menos sem necessariamente comprometer a produção e a economia.


Os impactos do desperdício da água são graves e traduzem-se na redução do abastecimento de água para a população, na menor disponibilidade de água nas reservas hídricas e na ocorrência de verdadeiras crises hídricas em tempos de seca. Por causa disso, é importante que todos façam a sua parte, desde o cidadão em sua casa, passando pelo Estado, até as diferentes práticas da economia.




Extraído de: https://www.preparaenem.com/geografia/desperdicio-agua.htm

Texto: Por: Rodolfo F. Alves Pena







COVID-19

Por Adalberto / Data: 15/01/2021

Sobre a doença

 

O que é COVID-19

Os coronavírus são uma grande família de vírus comuns em muitas espécies diferentes de animais, incluindo camelos, gado, gatos e morcegos. Raramente, os coronavírus que infectam animais podem infectar pessoas, como exemplo do MERS-CoV e SARS-CoV. Recentemente, em dezembro de 2019, houve a transmissão de um novo coronavírus (SARS-CoV-2), o qual foi identificado em Wuhan na China e causou a COVID-19, sendo em seguida disseminada e transmitida pessoa a pessoa.

A COVID-19 é uma doença causada pelo coronavírus, denominado SARS-CoV-2, que apresenta um espectro clínico variando de infecções assintomáticas a quadros graves. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, a maioria (cerca de 80%) dos pacientes com COVID-19 podem ser assintomáticos ou oligossintomáticos (poucos sintomas), e aproximadamente 20% dos casos detectados requer atendimento hospitalar por apresentarem dificuldade respiratória, dos quais aproximadamente 5% podem necessitar de suporte ventilatório.

 

Quais são os sintomas

Os sintomas da COVID-19 podem variar de um resfriado, a uma Síndrome Gripal-SG (presença de um quadro respiratório agudo, caracterizado por, pelo menos dois dos seguintes sintomas: sensação febril ou febre associada a dor de garganta, dor de cabeça, tosse, coriza) até uma pneumonia severa. Sendo os sintomas mais comuns:

  • Tosse
  • Febre
  • Coriza
  • Dor de garganta
  • Dificuldade para respirar
  • Perda de olfato (anosmia)
  • Alteração do paladar (ageusia)
  • Distúrbios gastrintestinais (náuseas/vômitos/diarreia)
  • Cansaço (astenia)
  • Diminuição do apetite (hiporexia)
  • Dispnéia ( falta de ar)

 

Como é transmitido

A transmissão acontece de uma pessoa doente para outra ou por contato próximo por meio de:

  • Toque do aperto de mão contaminadas;
  • Gotículas de saliva;
  • Espirro;
  • Tosse;
  • Catarro;
  • Objetos ou superfícies contaminadas, como celulares, mesas, talheres, maçanetas, brinquedos, teclados de computador etc.

 

Diagnóstico

O diagnóstico da COVID-19 pode ser realizado a partir de critérios como:

1 - O DIAGNÓSTICO CLÍNICO é realizado pelo médico atendente, que deve avaliar a possibilidade da doença, principalmente, em pacientes com a associação dos seguintes sinais e sintomas:

  • Febre, que pode estar presente no momento do exame clínico ou referida pelo paciente (sensação febril) de ocorrência recente.
  • Sintomas do trato respiratório (por exemplo, tosse, dispneia, coriza, dor de garganta)
  •  Outros sintomas consistentes incluindo, mialgias, distúrbios gastrointestinais (diarreia/náuseas/vômitos), perda ou diminuição do olfato (anosmia) ou perda ou diminuição do paladar (ageusia).

Em crianças, além dos itens anteriores, considera-se também a obstrução nasal, a desidratação e a  falta de apetite (inapetência), na ausência de outro diagnóstico específico.
Em idosos, deve-se considerar também, critérios específicos de agravamento como: síncope (desmaio ou perda temporária de consciência), confusão mental, sonolência excessiva, irritabilidade e falta de apetite (inapetência).
O diagnóstico clínico da doença, também deve ser considerado em pacientes com doença grave do trato respiratório inferior sem causa clara, como é o caso de pacientes que se apresentem em Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). Nesta síndrome o indivíduo apresenta-se em franca dispneia/desconforto respiratório/dificuldade para respirar com saturação de oxigênio (O2) menor do que 95% em ar ambiente ou coloração azulada dos lábios ou rosto (cianose) ou queixa de pressão persistente no tórax.
Em crianças, a SRAG apresenta-se com os sinais e sintomas anteriores, devendo ser observados sinais característicos de esforço respiratório, tais como,  os batimentos de asa de nariz, tiragem intercostal, e, por fim, alteração na coloração das extremidades que ficam azuladas (cianose).

2 - O DIAGNÓSTICO CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICO é realizado pelo médico atendente no qual considera-se:

  • casos de paciente com a associação dos sinais e sintomas supracitados ou SRAG MAIS histórico de contato próximo ou domiciliar, nos últimos 14 dias antes do aparecimento dos sintomas, com caso confirmado laboratorialmente para COVID-19 e para o qual não foi possível realizar a investigação laboratorial específica.

3 - DIAGNÓSTICO CLÍNICO-IMAGEM:

  • caso de sintomas respiratório mais febre ou SRAG ou óbito por SRAG que não foi possível confirmar ou descartar por critério laboratorial E que apresente alterações tomográficas.

4 - DIAGNÓSTICO LABORATORIAL - Caso o paciente apresente os sintomas respiratórios mais febre ou SRAG. O profissional de saúde poderá solicitar os seguintes exames laboratoriais:

  • De biologia molecular, (RT-PCR em tempo real) que diagnostica tanto a COVID-19, a Influenza ou a presença de Vírus Sincicial Respiratório (VSR) normalmente até o oitavo dia de início de sintomas.
  • Imunológico, que detecta, ou não, a presença de anticorpos em amostras coletadas a partir do oitavo dia de início dos sintomas. Sendo eles:
  • Ensaio imunoenzimático (Enzyme-Linked Immunosorbent Assay - ELISA);
  • Imunocromatografia (teste rápido) para detecção de anticorpos;
  • Imunoensaio por Eletroquimioluminescência (ECLIA).
  • Pesquisa de antígenos: resultado reagente para SARS-CoV-2 pelo método de Imunocromatografia para detecção de antígeno.

5 - DIAGNÓSTICO LABORATORIAL EM INDIVÍDUO ASSINTOMÁTICO (pessoa sem sintomas) que realizou:

  • Exame de Biologia Molecular com resultado DETECTÁVEL para SARS-CoV-2 realizado pelo método RT-PCR em tempo real.
  • Exame de Imunológico com resultado REAGENTE para IgM e/ou IgA realizado pelos seguintes métodos:  Ensaio imunoenzimático (ELISA) e Imunocromatografia (teste rápido) para detecção de anticorpos.

 

Como se proteger

As recomendações de prevenção à COVID-19 são as seguintes:

  • Lave com frequência as mãos até a altura dos punhos, com água e sabão, ou então higienize com álcool em gel 70%. Essa frequência deve ser ampliada quando estiver em algum ambiente público (ambientes de trabalho, prédios e instalações comerciais, etc), quando utilizar estrutura de transporte público ou tocar superfícies e objetos de uso compartilhado.
  • Ao tossir ou espirrar, cubra nariz e boca com lenço ou com a parte interna do cotovelo.
    Não tocar olhos, nariz, boca ou a máscara de proteção fácil com as mãos não higienizadas.
    Se tocar olhos, nariz, boca ou a máscara, higienize sempre as mãos como já indicado.
  • Mantenha distância mínima de 1 (um) metro entre pessoas em lugares públicos e de convívio social. Evite abraços, beijos e apertos de mãos. Adote um comportamento amigável sem contato físico, mas sempre com um sorriso no rosto.
  • Higienize com frequência o celular, brinquedos das crianças e outro objetos que são utilizados com frequência.
  • Não compartilhe objetos de uso pessoal como talheres, toalhas, pratos e copos.
  • Mantenha os ambientes limpos e bem ventilados.
  • Se estiver doente, evite contato próximo com outras pessoas, principalmente idosos e doentes crônicos, busque orientação pelos canais on-line disponibilizados pelo SUS ou atendimento nos serviços de saúde e siga as recomendações do profissional de saúde.
  • Durma bem e tenha uma alimentação saudável.
  • Recomenda-se a utilização de máscaras em todos os ambientes.  As máscaras de tecido (caseiras/artesanais), não são Equipamentos de Proteção Individual (EPI), mas podem funcionar como uma barreira física, em especial contra a saída de gotículas potencialmente contaminadas.

Veja aqui como confeccionar e usar a máscara caseira.

Estimule familiares, amigos e colegas de trabalho sobre a importância do uso de máscara e da higienização das mãos na prevenção da disseminação do vírus causador da doença COVID-19.

Dicas para viajantes:

Caso você precise viajar, avalie a real necessidade. Se for inevitável viajar, previna-se e siga as orientações das autoridades de saúde locais.
Ao voltar de viagens internacionais ou locais recomenda-se:

  • Reforçar os hábitos de higiene e proteção como a utilização de máscara, higienização das mãos com água e sabão ou com álcool em gel 70 %.
  • Caso apresente sintomas de gripe, busque atendimento nos serviços de saúde, e evite contato com outras pessoas

 

Se eu ficar doente

Se estiver doente, com sintomas compatíveis com a COVID-19, tais como febre, tosse, dor de garganta e/ou coriza, com ou sem falta de ar, evite contato físico com outras pessoas, incluindo os familiares, principalmente, idosos e doentes crônicos, Procure imediatamente os postos de triagem nas Unidades Básicas de Saúde / UPAS ou outras unidades de saúde. Após encaminhamento consulte-se com o médico. Uma vez diagnosticado pelo médico, receba as orientações e prescrição dos medicamentos que você deverá usar. O médico poderá solicitar exames complementares. Inicie o tratamento prescrito imediatamente. Mantenha seu médico sempre informado da evolução dos sintomas durante o tratamento e siga suas recomendações.

Utilize máscara o tempo todo.

Se for preciso cozinhar, use máscara de proteção, cobrindo boca e nariz todo o tempo.

Depois de usar o banheiro, nunca deixe de lavar as mãos com água e sabão e sempre limpe vaso mantendo a tampa fechada, pia e demais superfícies com álcool, água sanitária ou outro produto recomendado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa -  para desinfecção do ambiente.

Separe toalhas de banho, garfos, facas, colheres, copos e outros objetos apenas para seu uso.
O lixo produzido precisa ser separado e descartado.

Evite compartilhar sofás e cadeiras e realize limpeza e desinfecção frequente com água sanitária ou álcool 70% ou outro produto recomendado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa.

Mantenha a janela aberta para circulação de ar do ambiente usado para isolamento e a porta fechada, limpe a maçaneta frequentemente com álcool 70%, água sanitária, ou outro produto recomendado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa.

Caso o paciente não more sozinho, recomenda-se que os demais moradores da residência durmam em outro cômodo, seguindo também as seguintes recomendações:

  • Mantenha a distância mínima de 1 metro entre a pessoa infectada e os demais moradores.
  • Limpe os móveis da casa frequentemente com água sanitária, álcool 70% ou outro produto recomendado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa.
  • Se uma pessoa da casa tiver diagnóstico positivo, todos os moradores devem ficar em distanciamento conforme orientação médica.

 

Serviço de Saúde

Procure um serviço de saúde caso apresente sintomas de síndrome gripal.



Fonte: Ministério da Saúde